O setor espanhol de oliva solicita proteger a produção da praga de Xylella Fastidiosa

A INNOLIVA espera que as autoridades apliquem medidas preventivas

Madrid, 3 de março de 2017.

Em 2013, as oliveiras começaram a secar no sul da Itália. Três anos depois, a Xylella fastidiosa havia terminado com 250 mil hectares de cultivo no país transalpino e haviam estragado milhões de árvores. A notificação sobre a presença deste surto “foi recebida quando já estava generalizada”, de acordo com a Comissão Européia.

O ministro italiano da Agricultura, Maurizio Martina, teve recentemente uma reunião com o Comissário da Saúde, Vytenis Andriukaitis, no qual discutiram a possível autorização comunitária para a replantação de novas oliveiras na área afectada pela bactéria Xylella fastidiosa na região italiana da Puglia. Nesta área, a doença causou danos consideráveis ​​às plantações de oliveiras, ordenando o início da maioria das áreas afetadas e seus arredores.

Agora, os agricultores espanhóis temem a chegada desta praga às oliveiras e pedem medidas o mais rápido possível. A INNOLIVA, como empresa líder no setor, junta-se à petição e exige que as autoridades se concentrem na prevenção para proteger o cultivo da oliva na Península Ibérica.

No final do ano passado, a UE aprovou um regulamento que se concentra precisamente na prevenção da entrada ou propagação de pragas, alocando mais recursos na fase inicial. Para isso, são estabelecidos padrões comuns na produção, inspeção, amostragem, teste, importação, transferência e certificação de material vegetal.

Todos os Estados-Membros devem “imediatamente” proceder à erradicação de uma praga na União se ela aparecer em uma área onde ela não havia sido detectada anteriormente. Não será mais possível agir unilateralmente com medidas de contenção, ou seja, ignorar a fase de erradicação e tomar apenas medidas para restringir a presença da praga.

A nova legislação ordena pragas em três categorias, de acordo com as suas características: quarentena na União (não presente ou apenas localmente na UE), quarentena em áreas protegidas (presente na maioria da UE, mas ausente nas chamadas “zonas “). protegido “) e não-quarentena regulada (generalizada na UE).

A INNOLIVA recorda a importância de os governos nacionais aplicar as regras europeias para que a produção espanhola de azeite não seja afetada.

Sobre Innoliva

A empresa, que tem sede em Pamplona (Espanha), possui mais de 5.000 hectares de olivais irrigados, localizados em Espanha e em Portugal, onde o clima mediterrâneo dá ao olival o ambiente ideal para o desenvolvimento e amadurecimento da fruta; e favorece a obtenção de Óleos de Oliveira Extra Virgem com excelentes qualidades sensoriais.

Com o seu sistema de produção, garantem a rastreabilidade integral de todo o processo: da oliveira ao cliente final.

Eles fazem o seu óleo de oliva extra virgem frio no menor tempo possível a partir da entrada da azeitona no moinho de óleo. E eles cuidam do óleo já produzido para manter suas excelentes qualidades sensoriais e saudáveis ​​o maior tempo possível.